O que é e como funciona o IPCA?

O IPCA é um dos principais índices da economia do nosso país. Apesar de sua importância, muitas pessoas não sabem para o que ele serve e nem como o índice é calculado.

Sabendo disso, construímos esse guia para explicar como o IPCA funciona e para solucionar as principais dúvidas sobre o índice. Confira!

O que é o IPCA?

O IPCA é um acrônimo de Índice de Preços ao Consumidor Amplo. O índice é um dos mais importantes medidores da inflação brasileira. O índice foi criado no ano de 1979, com o objetivo de servir de instrumento para medir a variação dos preços dos produtos e serviços consumidos por brasileiros.

O índice, que abrange 90% da população urbana do país, tenta calcular uma média que indique se os preços aumentaram, diminuíram ou permaneceram estáveis de mês em mês.

Como o IPCA é calculado?

Os hábitos de consumo de famílias brasileiras com renda entre 1 e 40 salários mínimos são a base para a metodologia utilizada no cálculo do IPCA. Para chegar a um valor, são coletados os preços, entre o primeiro e o último dia de cada mês, de diversos produtos e serviços. Os preços são coletados tanto em lojas, prestadoras de serviços e concessionárias de serviço público.

Os produtos e serviços pesquisados envolvem itens de várias categorias diferentes. Fazem parte da cesta os produtos alimentícios e também serviços médicos e educacionais, eletrodomésticos e até mesmo atividades de lazer.

Cada produto e serviço possui um peso no cálculo do IPCA, sendo que os produtos mais presentes no dia a dia das famílias brasileiras possuem um peso maior. Sendo assim, produtos relacionados à alimentação possuem um peso maior do que roupas, por exemplo.

O levantamento para definir quais produtos e serviços serão utilizados para medir o IPCA é feito através da Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF), que busca mensurar os hábitos de consumo dos brasileiros.

Anúncios

A POF é realizada com frequência, já que o consumo brasileiro muda de tempos em tempos. Quando há uma alteração na POF, o cálculo do IPCA também deve ser alterado, já que o índice deve refletir a realidade.

Além do peso dos produtos, algumas regiões do Brasil possuem um peso diferente na composição do IPCA. A coleta de dados é feita nas regiões metropolitanas das 16 capitais brasileiras. Cada uma dessas regiões tem um peso diferente no cálculo do índice.

O determinante do peso de cada uma das regiões é a renda média das famílias dessas regiões. Desse modo, os lugares com uma renda maior possuem maior peso cálculo do IPCA.

Qual a função do IPCA?

O IPCA é a referência do sistema de metas inflacionárias do Brasil. Esse sistema colabora para que a inflação seja mantida dentro de uma porcentagem, que é previamente estabelecida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

Um exemplo de ferramenta utilizada para o cumprimento da meta é a taxa de juros básica, a Selic. Desse modo, ela é aumentada quando há um crescimento nos preços e é diminuída quando ocorre o contrário. Isso acontece porque as taxas mais altas fazem com que o crédito fique mais caro, reduzindo o consumo.

O que faz o IPCA subir e cair?

A variação de preços, de modo geral, ocorre conforme a oferta e demanda por produtos. Isto é, se a demanda for maior que a oferta, é provável que haverá um aumento nos preços.

Isso pode ocorrer quando a economia está em alta e a população está consumindo de modo que as empresas não consigam ajustar a produção para o nível de consumo. É de se esperar que haja inflação nestes períodos. No entanto, se as pessoas não estão consumindo, ocorre uma queda nos preços, resultando em uma deflação.

Apesar disso, pode ocorrer uma estagflação, que é quando uma economia está em recessão e os preços sobem excessivamente.

Além disso, há um outro fator que pode causar inflação, que é o excesso de gastos públicos, já que se houver mais dinheiro em circulação há um aquecimento na economia. Movimentações no câmbio também podem causar alterações no IPCA, provocando inflação.

Como o IPCA afeta investimentos e financiamentos?

O IPCA afeta a rentabilidade real dos seus investimentos. A rentabilidade real nada mais é do que os percentuais da rentabilidade de um investimento subtraído dos percentuais da inflação. Ou seja, a rentabilidade real é o quanto o investidor realmente ganhou com o investimento.

Sendo assim, se o rendimento de um investimento for menor que o IPCA, isso significa que a inflação foi maior do que a rentabilidade do investimento. Caso seja o contrário, significa que o investimento o seu investimento teve um rendimento maior que o da inflação.

No caso dos financiamentos, muitos deles são reajustados segundo o IPCA, o que faz com que saldo devedor aumente ou diminua em função das alterações do índice.

 

E aí, gostou do post? Então comente e compartilhe para que mais pessoas também possam ver!